Crítica:"Tetro", de Francis Ford Coppola

17:19:00 Cinema's Challenge 3 Comments


É difícil olhar para "Tetro" e perceber que é uma obra do Coppola. Porque convenhamos que é bem dispare dos restantes filmes com que nos premiou anteriormente. "Tetro" é apenas de 2009, mas parece vir de um passado já remoto em alguns traços que o compõe dá um ar de filmes que anos antes, talvez 70 ou 80, poderíamos ter visto. No entanto, o preto e branco fica-lhe bem. Ao filme por inteiro. Às personagens. Aos cenários. A tudo mesmo. Dá um certo ar distinção, quiça. Exageros ou não à parte, o realizador de "Apocalipse Now" juntou actores bem carismáticos a uma obra que tem muito que se lhe diga, mas que não é por si fácil. Destaque para o trio protagonista - Vincent Gallo, Alden Ehrenreich e Maribel Verdú, que cumprem na perfeição os requisitos pretendidos para cada personagem.


"Tetro" é quase como o produto final da junção de muitas artes, desde a música, passando pelo teatro e finalizando no cinema, a obra de Coppola tem um toque de sublime requinte quando aborda as artes mais clássicas que,ao mesmo tempo, é salpicado pela brutalidade e presságios que o seu argumento suporta. 
Argumento esse que dá um double twist. Intercala acções e conta histórias que não existem, pelo menos representadas por dada personagem, mas que se tornam reais assim que são contadas ou lidas perante o público... O filme transcende a ideia de uma narrativa única e quase fiel a quem a vê, deixando apenas o público saber aquilo que a personagem vai contando e também sabendo ao longo do filme.
A narrativa passa-se em Buenos Aires, portanto afasta-se bastante do estilo hollywoodesco a que estamos já familiarizados.
A película é bastante aconselhável. É necessária paciência para as suas longas duas horas de filme, todavia vale bastante a pena.

3 comentários:

  1. Gostei muito deste filme também e do seu estilo antiquado, digamos. Bem melhor que o filme anterior do Coppola :/

    http://onarradorsubjectivo.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Tenho de concordar contigo.É um filme belíssimo.

    ResponderEliminar
  3. Ola Mandim, primeiramente elogio a critica, ficou joia.

    Poderia ter falado da referencia gritante que Tetro faz a belíssima película Rumble Fish - O selvagem da motocicleta (1983), da-se até um ar de nostalgia a quem assistiu rumble fish e viu Tetro.

    além de que poderia ter se abordado a introspectiva de coppola no qual o cerne do filme é a Familia, coppola como bennie vivendo a sombra do irmão mais velho, além da grande obra The Godfather o qual cerne tambem é a familia.

    de todo exposto, espero que lhe agregue, até porque não faria melhor. tudo de melhor sempre, blz então, valeu e até mais !

    ResponderEliminar

May the force be with you!