As melhores séries não deprimentes de 2014/2015 - PARTE I

16:22:00 Cinema's Challenge 0 Comments

Por mais que gostemos de cinema, admitam, todos vemos séries. Não há nada como 20 a 40 min lúdicos no final de um dia rotineiro de trabalho. No entanto, nem sempre é fácil arranjar uma série substituta, para a aclamada "melhor-série-de-sempre" que terminou, sem ser uma daquelas elevadas a público na onda do hype pseudo-deprimentes. Portanto, deixo-vos aqui uma lista de algumas das séries que tenho seguido, de diferentes géneros e para diferentes públicos-tipo, mas com uma coisa em comum: uma história interessante e minimamente inteligente, no contexto de série, claro.




«Broad City»



Para aqueles que achavam que o sexo feminino era sinónimo de aborrecimento, ao verem esta série vão ter uma enorme surpresa. Sim, enorme, gigante, dantesca, etc!... «Broad City» mostra-nos como ser neurótico e jovem pode ser divertido, que o inesperado é o melhor destino e que a amizade é uma das coisas mais importantes que temos. Isto tudo, com uma carga humorística contemporâne, extremamente mordaz, diferente e inteligente. Além disso, tem uma das melhores personagens de sempre, algo cartonesca, mas hilariante: a Llana.

«The Flash»


É verdade,o que é demais por vezes enjoa. São muitos os filmes ou séries de super-heróis que têm sido anunciados nos últimos anos, todavia isso não invalida que «The Flash» seja uma das séries baseada em comics mais bem conseguida entre as suas comparsas. Temos um elenco interessante que vai ficando apurado ao longo do tempo. Temos uma adaptação bem feita qb, que conta com alguma reinvenção para manter o suspense da estória. E temos personagens bastante fortes: Cisco, Barry, Dr.Wells. Acredito que se optarem por assistir esta série vão ser mais rápidos que o Flash a acabar a temporada.

«iZombie»


Vou contar-vos uma história. A primeira vez que vi algo relativo a esta série achei que seria muito rebuscada e fraca, tipo o aborto nascido entre o casamento de «Twiligh» e «Warm Bodies» em série. Mas felizmente estava redondamente enganada. Experimentei ver um episódio como quem vai para ver um filme da Asylum, mas terminei o fim do episódio a querer ver o próximo que, com pena minha, ainda não tinha saído. Agora que vi o segundo, aconselho vivamente a série. Pontos altos: a estória é totalmente original, a miúda é gira para quem está morta e o ajudante dela não é aquele nerd-tipo e já sabe do seu "estado" sem estar 60% do tempo da série a ignorar todos os sinais tal como costuma acontecer nas restantes. Depois há humor negro à mistura, que é um quase convite para aceitar e, o mais importante de tudo, zombies.