Black Swan, o lado negro do balé

21:10:00 Cinema's Challenge 2 Comments

(Antes de ler a crítica clique no vídeo abaixo intítulado soundtrack, obrigada!)

Se para um comum mortal fazer um filme sobre balé seria algo bastante banal no que diz respeito à perspectiva adoptada, para o realizador Darren Aronofsky fazer um filme sobre o mesmo tema pode revelar-se bem complexo e, avassaladoramente, emotivo. “Black Swan” espelha o que de mais profundo e sombrio pode existir dentro de alguém, mesmo que este alguém seja belo, jovem e quase inocente. O filme mostra-nos isso e muito mais. O argumento não é dos mais imprevisíveis ou originais, pelo menos no que toca ao twist e à temática do ‘amigo imaginário’ ou alter-ego. Contudo, o impulso dado pela realização de Aronofsky consegue conferir força a cada momento da história e torná-la interessante do início ao fim. Consegue tornar ao mesmo tempo algo assustador e quase demoníaco em algo belo, atractivo e hipnotizante. A música e espelhos são algumas das artimanhas que conferem ao filme um ambiente único; partilhando então da dicotomia já referida. A cada passo aproximamo-nos mais da personagem principal, Nina, que personifica assim alguém cuja vida esteve até então ‘presa’ a uma potencial carreira como bailarina. Alguém que provavelmente nunca teve uma adolescência normal, que esteve sempre à mercê de um número infindável de regras e rigidez maternal. Alguém que tentou ser o que a mãe não foi. Alguém que tenta a todo o custo ser ‘perfeita’, mas acaba por descobrir que até isso é algo relativo. Alguém que ainda procura o seu verdadeiro ‘eu’ e que acaba por não encontrar, reflectindo-se então em terceiros para contrariar o medo que sente da sua realidade. Assim, a personagem a que dá vida Natalie Portman acaba por ser a base de toda uma história bastante intrigante, que passa por um thriller bem conseguido e ardilosamente esquematizado ao longo de 108 minutos. A verdade é que desempenha na perfeição um papel que sugere muita versatilidade, pois também no desempenho a actriz tem de conseguir ser o “White Swan” e o “Black Swan”, um desafio bastante complicado, mesmo para um actor. A vitória do Óscar realmente foi merecida. Todavia, existe apenas uma crítica que posso fazer, pois penso que passou ao lado de muitas pessoas esse pormenor. Supostamente a personagem Nina não deveria ter mais de 20 anos, pois fica escandalizada quando a mãe fala de ter tentado ser profissional perto dos 25. Visto isto, mesmo Portman sendo excelente no desempenho do seu papel, e dona de uma beleza bastante particular, já lá vai o tempo em que parecia ter 20 anos. Portanto, aí existe uma falha de cast, que em nada afectou o sucesso do filme, mas que não tem muita lógica num projecto deste tipo, onde todo o cuidado é pouco. A nível técnico é difícil negar que é estonteante a cada segunda que passa, assim como o restante elenco, desde a mãe Erica (Barbara Hershey), a Lily (Mila Kunis) e Leroy (Vincent Cassel). Não esquecendo Winona Ryder no papel de Beth. Esta última parecia ser, talvez, a mais promissora do elenco, a seguir a Natalie, contudo isso acabou por não acontecer, sendo dada mais relevância às duas restantes actrizes. Darren conseguiu tornar a “Dança dos Cisnes” numa obra-prima em película absolutamente arrasadora, misteriosa e dramática. Onde nos confrontamos com várias dúvidas, nos confundimos e acabamos por reflectir a nossa própria existência, personalidade e caminho que seguimos para chegar até lá.

Trailer:


Soundtrack:
★★★★

2 comentários:

  1. Muito bem escrita a crítica! Concordo com tudo, penso eu. Isso da idade não tinha reparado...Mas é um filme belíssimo!


    Abraço
    Frank and Hall's Stuff

    ResponderEliminar
  2. Obrigada :)! foi-me difícil escrever esta crítica porque quando vi o filme não foi nas melhores condições (não sei se apanhas-te no grupo aquela conversa em que o pessoal disse que deu 10 minutos em alemão)e depois não fiquei a acha-lo tão genial como a maioria das pessoas, embora tenha gostado bastante mesmo...e sempre que falava com algum colega que gostava de cinema quase que me crucificavam :p! por isso, mais uma vez, obrigada!
    *

    ResponderEliminar

May the force be with you!