Tela Clássica: Django Oriental vs Django Ocidental

21:33:00 Cinema's Challenge 6 Comments

Tem data de estreia para 25 de Dezembro de 2012 e é um dos filmes mais aguardados do momento. Falo, é claro, de Django Unchained”, o novo filme de Quentin Tarantino.
A paixão do realizador pelos western-spaghetti levou-o a fazer um remake, ou spin-off (se assim lhe preferirem chamar), do famoso western de Sergio Corbucci, dos anos 60. Na realidade, ninguém sabe exactamente o que esperar, tendo em conta que “Inglorious Bastards” saiu uma coisa completamente diferente do original de Enzo G. Castellari, de 1978. Seja como for, não é o Django de Tarantino que vou analisar hoje. Tarantino já cruzou anteriormente com a personagem de Django. Para explicar, vou ter que introduzir neste texto um outro realizador: Takashi Miike. Eu considero o japonês Takashi Miike um dos mais brilhantes realizadores da actualidade. Ele até é visto como o Tarantino japonês, título que lhe assenta como uma luva.
Miike é um realizador hiper-activo, habituado a concluir de 2 a 7 filmes por ano. São dele obras como “Audition”, “Visitor Q”, “Ichi - The Killer”, “Ichimei” ou a trilogia “Dead or Alive”. O caminho destes dois realizadores cruzou-se algures durante a década passada. Não faço ideia do que terão falado, até porque o inglês de Miike não é muito fluente, mas dali saiu colaboração engraçada. Tarantino convidou Miike para um cameo em “Hostel”, de Eli Roth, um filme por si produzido. Como retribuição, Miike convidou Tarantino para uma 'perninha' em “Sukiaki Western Django”, o primeiro genuíno western japonês, e uma adaptação um pouco livre do filme de Corbucci. A versão de Takashi Miike deste famoso spaghetti-western é algo absolutamente fantástico. A cidade mistura o look do velho oeste com as características da antiga arquitectura japonesa. As cores destacam principalmente cada um dos clãs, destacando-se portanto o vermelho e o branco, misturados com uma tonalidade saturada e meio sépia por vezes.
O trabalho de caracterização é impressionante, porém normal nos filmes de Miike. Os membros dos grupos rivais, usam jeans, couro e uma grande variedade de tecidos, caracterizando um ar punk dos anos 80. O filme conta ainda com flashbacks em que a cenografia se torna absolutamente teatral, com explosão de cores quentes e painéis pintados ao fundo, novamente misturando a técnica ocidental à oriental.
A participação de Tarantino é pequena, mas divertidíssima. Ele faz pequenas, todavia impagáveis aparições, como a do vídeo que podem ver a baixo do texto. “Sukiyaki Western Django” é uma homenagem ao western como um todo; em algumas partes reproduz os seus conceitos mais formais e noutras satiriza-o. É, sobretudo, uma comédia hilariante e extravagante, que conta com toques surreais e de humor negro.
Visto isto, e agora? Como é que vai sair a versão de Tarantino?



Pelo convidado: Francisco Rocha.

6 comentários:

  1. Só me deixou mais curioso para ver o que Tarantino irá aprontar neste seu novo filme!

    Abraços, adorei teu blogue!
    osmeuscigarros.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Então somos dois :)...Mesmo em remakes o QT surpreende sempre, se pensarmos no Inglourious Basterds, temos aí um exemplo de peso. Obrigada :) Vou adicionar-te na blgoroll. Sê bem-vindo.

    ResponderEliminar
  3. adoro! Quentin Tarantino deixa-me sempre em pulgas, mal posso esperar pelo western :D!

    ResponderEliminar
  4. Muito bom ver um gostinho do cinema nipónico por aqui ainda que por comparação.

    ResponderEliminar
  5. Sobre a obra do Miike não posso dizer que tenha grande experiência (penso que vi um ou outro, que agora não sei especificar qual - ele faz tantos tantos). Acompanho as noticias de cinema e muito ouço falar desse realizador mas é realmente um falha que um dia tenho de ir resolvendo a acumular títulos dele visionados.
    O Tarantino, é um grande admirador dele e, pode parecer que não mas reforça imenso a atenção sobre o Miike.

    Sobre a cena quase surrealistica do Tarantino como actor no filme de Miike (que vai ser alvo de retratamento pós-modernista do americano QT), está realmente valente e valiosa. Gostei de a ver pois desconhecia. Valeu! Grande momento, grande artigo a apontar em duas direcções que muito se unem até.
    Francisco: dá-lhes forte e feio!!! E arranja lá mais tesourinhos destes também sff.
    Priceless!!!

    ResponderEliminar
  6. Espreitei ontem o Sukiyaki Western Django, bem peculiar :)

    ResponderEliminar

May the force be with you!