O (não) Incrível Hulk!

10:40:00 Cinema's Challenge 2 Comments


Pela segunda vez, Hulk, uma de muitas das personagens da Marvel, deu origem a um filme. Mas podemos afirmar que relativamente ao anterior, de 2003, esta sequela conseguiu alcançar alguns pontos positivos; o argumento é muito mais interessante; os próprios actores têm uma óptima performance; o cast é medianamente conceituado, contando com Edward Norton como protagonista. O actor encarna a personagem de Hulk ( cujo alter ego é Bruce Baner), no entanto vê-lo num filme baseado em histórias aos quadradinhos não é um hábito recorrente. Conhecemos-lo de filmes como "América Proíbida", "Primal Fear" ou o underground "Fight Club", onde o foro psicológico das personagens e argumento é bastante profundo e reflexivo, por isso o desempenho do herói verde é uma imagem um pouco estranha para os seus seguidores. Ainda no elenco, encontramos caras como Liv Tyler ( Betty Ross), William Hurt (General Thaddeus "Thunderbolt" Ross ) e Tim Roth (Emil Blonsky), todas elas com um currículo já extenso.

Ainda em comparação com o primeiro filme, apesar de não ser nenhuma obra-prima, "The Incridivel Hulk" ultrapassa o seu anterior em todos os aspectos. Contudo, tal como a maioria das adaptações de BD para filme - como o "Homem Aranha", "O Demolidor", "30 Dais of Night", "Super Homem", entre outros -, revelam-se sempre pouco fiéis às personagens e a construção da história também não é muito apelativa, assim como o super herói que acaba por brilhar mais nos seus momentos áureos de acção do que propriamente pelo psicológico da personagem.

Provavelmente, a julgar pelo fim, esta película será 'brindada' com uma sequela mais cedo ou mais tarde, por isso há sempre esperanças que algum realmente resulte.




P.S: Julgo que esta foi a primeira crítica que fiz aqui no blogue, por isso esta republicação tem um valor emotivo acrescido.

2 comentários:

  1. Como é de conhecimento público ( ou não...) acho este muito inferior ao Hulk de 2003 :)

    ResponderEliminar
  2. Obrigada pela opinião. Eu sinceramente mantenho a minha opinião, continuo a achar este melhor mesmo que não ache também um grande filme. Podia entrar em pormenores, mas já lá vão uns anos desde que vi os dois para poder comparar ou desmistificar de modo mais claro o porquê disso, para ser sincera.

    ResponderEliminar

May the force be with you!