Angelina Jolie comemora 40 Anos de mudança!

17:53:00 Cinema's Challenge 0 Comments

Angelina Jolie nasceu a 4 de junho de 1975
De rebelde a humanitária, de forma sintética, foi assim a evolução polémica da atriz, modelo e cineasta que pisou cedo demais a calçada da fama com o incentivo do seu progenitor. Tinha apenas 7 anos quando entrou no seu primeiro filme - «"Lookin' to Get Out"» -, ainda não sem ter adotado o atual nome artístico hoje reconhecido mundialmente. Na época, era Angelina Jolie Voight, apenas filha de John Voight, um aclamado ator e produtor de cinema estudinense, vencedor inclusive de um Oscar.

Mas antes mesmo de desenvolver o seu talento para a representação, a beleza invulgar de Jolie não deixou ninguém indiferente. Dona de lábios carnudos, olhos verdes e fisionomia de fazer inveja, a jovem captou as atenções nos vários castings, tendo abraçado nos anos seguintes vários papéis em blockbusters. Em 1993, tem a sua segunda presença no grande ecrã com a sequela «Cyborg 2: Glass Shadow», onde interpreta a protagonista humanoide. Alguns projetos de pequena dimensão depois e surge um novo filme com alguma notoriedade, em que mais uma vez a atriz destaca-se por um papel pouco convencional e diferente de todos os anteriores - «Hackers» (1995). Nesse mesmo ano, Jolie apaixona-se pelo co-protagonista do filme Johnny Lee Miller, romance que os leva ao "altar", marcado por um episódio bizarro, em que a atriz veste uma camisola com o nome do futuro marido escrito com sangue. Três anos depois, agarra uma nova personagem bastante controversa e com algumas similaridades com a sua vida real; «Gia», o telefilme, ainda hoje reconhecido como uma intensa obra biográfica.


Os anos continuam a passar...E a cineasta continua a mostrar a sua versatilidade. «Playing by Heart», a comédia-romântica que nos mostra um outro lado de Angie. Em seguida, abraça um novo projeto, «Pushing Tin» que lhe dá a conhecer o seu segundo marido Billy Bob, com o qual vem a contrair matrimónio em 2000. Esta nova paixão é marcada por uma série de episódios chocantes, onde o lado rebelde da atriz é cada vez mais gritante, marcado pelos excessos de psicotrópicos, comportamentos escandalosos em público, distúrbios psíquicos, entre outros aspectos que fizeram da inocente menina de olhos verdes uma mulher receada por muitos, uma verdadeira "bad girl" que a imprensa pintava como insubordinada. Ainda em 1999, surge o seu grande papel em «Girl Interrupted», onde desempenha uma psicopata que lhe dá o Oscar de Melhor Atriz secundária (na minha opinião o melhor papel até hoje desempenhado pela atriz). Durante a cerimónia de congratulação, a atriz dá nas vistas pelas piores razões ao dar um beijo apaixonado no irmão, depois de declarar que estaria muito apaixonada por ele...

Os anos foram passando e Angelina Jolie não esteve parada. Foram vários os filmes, na sua maioria de cariz mais comercial, que acumulou na sua filmografia, sem nunca se cingir a um género único.



Mas é apenas no início do ano 2000 que se torna uma sex symbol entre os homens e mulheres. O filme, ou melhor personagem que a popularizou foi a desempenhada em «Tomb Raider», película baseada no célebre videojogo de ação, a mesma que lhe concedeu por três anos seguidos Razzies. Para desenvolver a personagem, a atriz foi treinada e moldada de forma a ter o mesmo corpo curvilíneo de Lara Croft, o qual fez suspirar muitos na época.

2001 e 2002 traz-nos «Original Sin», um filme quente, com Antonio Banderas, em que a atriz regressa ao drama e mistério, e «Life or Something Like It», uma comédia romântica com uma premissa interessante de "E se descobríssemos que só tínhamos uma última semana de vida?".

Cada vez mais próximo do grande dia em que dá de caras num filme com a sua atual cara-metade, Brad Pitt, em «Mr. and Mrs. Smith», 2005 é o ano em que a vida da atriz dá uma reviravolta. Mulher de extremos, passou de um comportamento ligado ao mundo das drogas, auto-mutilação e distúrbios alimentares para um comportamento exemplar, associado a causas solidárias, tornando-se embaixadora e mãe.


Dois anos passam e segue-se outro filme que marca uma nova postura da atriz, em papéis mais sérios - «Changelling». Porém, «Wanted», do mesmo ano, revela que Jolie continua capacidade para desempenhar papéis mais radicais, assim como «Salt», onde a ação é a palavra de ordem!

Mais atualmente, o único papel que deu que falar foi a sua prestação no filme «Maléfica» e a sua nova ocupação como realizadora. Dedicada, contudo marcada por umas primeiras experiências menos eficazes, é 2014 que lhe inspira, e a talentosa cineasta brinda-nos com «Unbroken», um intenso e poderoso drama-biográfico, onde Jack O'Connell, depois da série «Skins», volta a dar nas vistas e é premiado como jovem revelação em vários prémios. Os olhos do mundo estão postos em Jolie. A verdadeira "beauty with brains".


No mesmo ano, casa-se finalmente com Brad Pitt, oficializando a sua relação. É também vítima de vários emails ofensivos por parte da Sony, esses libertados na web através de um leak. Mas nada a deteve, Angie ganha mais força. É agraciada pela rainha Isabel II com a Ordem de S. Miguel e São Jorge devido ao reconhecimento pela sua luta face à violência sexual em zonas de conflitos armados, assim como graças aos serviços prestados à política externa britânica.... E 2015 fica assinalado como o ano em que esta alcança o título de "Mulher mais admirada do Mundo" e é recebida pelo Papa Francisco, no Vaticano.

No entanto, nem tudo é positivo. Com um forte historial de cancro na família, Jolie decide retirar vários órgãos femininos de forma a minimizar o perigo. A polémica está uma vez mais instalada, mas convicta, tem o apoio do marido, que a defende na imprensa com uma carta de amor aberta.

Todavia nenhum destes episódios menos bons ou controversos a embargou e aos 40 anos de idade, além de bela e cada vez com mais classe, continua a trabalhar em diversos projetos, tanto no cinema como humanitários, dando cartas em várias frentes de forma admirável, consolidando assim o exemplo de grande mulher e profissional no qual se tornou. Parabéns!